OS NOSSOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS

1. Reduzir, reutilizar e reciclar os resíduos gerados

2. Controlar e reduzir o consumo de plástico

3. Implementar medidas de redução para o consumo de água

4. Minimizar o consumo de gasóleo

 

TODOS OS CONSUMOS SERÃO MONITORIZADOS DE FORMA A DEFINIR METAS DE REDUÇÃO PARA A PRÓXIMA EDIÇÃO

1. Reduzir, reutilizar e reciclar os resíduos gerados

MEDIDAS

- Estabelecer parceria com a Câmara Municipal de Lisboa e com a Valorsul para uma correta destinação dos resíduos.

- Proibir a utilização de sacos de plástico, embalagens primárias e o excesso de embalagem de qualquer tipo de material.

- Optar por utensílios mais sustentáveis nas áreas de F&B.

- Promover a correta separação entre o público: através e campanhas, sinalética.

- Proibir a construção no parque.

- Optar por estruturas modulares e alugadas com objetivo de reduzir significativamente a produção de resíduos nas fases de montagem e desmontagem.

- Promover a utilização de elementos cenográficos reutilizáveis ou recicláveis.

 

- Proibir a distribuição de folhetos no evento Avaliar criteriosamente os brindes de forma a reduzir os depositados no lixo ou no chão:

  • UTILIDADE | Quanto mais útil for o brinde para o dia a dia, menor a probabilidade de que termine no chão no final do evento e maior o impacto da marca, pois o brinde será usado para além do festival.
  • MENSAGEM | Procurar associar o brinde às ideias de responsabilidade socioambiental e garantir que o brinde estimule o engajamento do público com o proósito da marca.
  • MATERIAIS | É importante considerar materiais reciclados e/ou recicláveis como matéria-prima para os brindes; evitar equipamentos eletrônicos que tenham necessidade de pilhas.
  • FORMATO | É PROIBIDA distribuição no evento de flyers ou brindes que se assemelhem a flyers, papéis sem outra utilidade além de servir como material de divulgação.
  • EMBALAGEM | Os brindes devem ser transportados em caixas de papelão e sem embalagem individual; deve ser evitado o plástico para embalagem secundária dos brindes e os mesmos deverão ser entregues ao público sem embalagens primárias.

 

- Doar sobras alimentares em boas condições à Refood para distribuição por pessoas e famílias carenciadas nas imediações do parque.

- Trabalhar economia circular entre patrocinadores e fornecedores.

- Doar materiais após a desmontagem.

 

Formar, informar e fiscalizar:

- Informar todos os Parceiros para a correta separação dos resíduos para que sejam corretamente destinados

- Distribuir a todos os parceiros as regras de gestão de resíduos e outras informações sobre sustentabilidade;

- Formação dos colaboradores, fornecedores e parceiros;

- Sessões de esclarecimento para todos que operam.

 

- Separar corretamente óleos alimentares, orgânicos enviando para reciclagem e valorização.

2. Controlar e reduzir o consumo de plástico

MEDIDAS

- Proibir a utilização de sacos de plástico, embalagens primárias.

- Utilização de copo reutilizável.

- Incentivo ao refill do copo e de garrafas reutilizáveis.

- Avaliação criteriosa dos brindes.

- Se necessário a utilização de plásticos fomentar o de origem vegetal.

3. Implementar medidas de redução para o consumo de água

MEDIDAS

- Promover a utilização racional de água. Em todas as instalações onde haja utilização de água sensibilizar todos os operadores para a poupança de água, recorrendo a cartazes e autocolantes apelativos.

- Disponibilidade de água potável gratuitamente.

- Escolher equipamentos eficientes.

- Optar por torneiras e chuveiros que permitem reduzir o fluxo de água ou fechar automaticamente quando não é necessário mais água.

- Fomentar as boas práticas diárias.

- Verificar e se necessário ajustar o volume de água gasta nos vasos sanitários, sempre que possível ajustar o sensor instalado na descarga ou introduzir uma garrafa PET de 1,5lt cheia de água.

- Fechar sempre as torneiras dos WC’s quando não é necessário.

- Usar o mesmo copo ou garrafa reffil ao longo do dia, reduzindo o número de copos para lavar.

4. Minimizar o consumo de gasóleo

MEDIDAS 

- Envolver todos na economia de energia, utilizando uma comunicação apelativa e efetiva:

   - Ativar o modo de economia de energia em todos os equipamentos que permitirem e que não irão atrapalhar no desempenho

   - Ajustar o ar condicionado sempre em temperaturas confortáveis - cerca de 23ºC no Verão e 18ºC no Inverno -, e evitar ter os mesmos trabalhando com as janelas e/ou portas abertas.

   - Desligar os equipamentos que não estão a ser utilizados, ou sempre que se sai duma sala (iluminação, computadores, impressoras, ar condicionado,…)

   - Planear cuidadosamente a localização dos aparelhos de forma a garantir uma temperatura uniforme em todos os locais, evitando carga excessiva e mal uso.

   - Retirar os carregadores de equipamentos elétricos e eletrónicos das tomadas.

 

- Os equipamentos com classificação energética de A a A+++, consomem menos energia e devem ser priorizados no momento da escolha dos equipamentos de iluminação e refrigeração.

- Fazer um planeamento eficiente do parque de geradores para diminuir o consumo de combustível.

- Considerar opções mais sustentáveis de geradores.

- Explorar a possibilidade de instalar equipamentos de produção de energia renovável para fornecimento de energia de algumas áreas do evento, comunicando ao público e parceiros a energia produzida e as emissões de gases evitada com a alternativa limpa.

- Envolver os parceiros nesta temática.

Outras medidas a implementar

Alojamento

MEDIDAS

- Optar por instalações hoteleiras próximas do recinto e com boas ofertas de transporte público.

- A proximidade da unidade hoteleira ao local de trabalho, por exemplo aos escritórios e ao local do evento, reduz as distâncias percorridas em deslocações e, consequentemente, as emissões de carbono.

- Além de contribuir com a qualidade de vida da equipa.

- Verificar se as unidades de hospedagem selecionadas dispõem de um Sistema de Gestão Ambiental (por exemplo, ISO 14001; EMAS) ou se implementa medidas de controle do consumo de energia (como iluminação eficiente, equipamentos de classe A a A+++, entre outras).

- Analisar ainda a existência de programas de redução de consumos de água.

- Optar por unidades que facilitem o check-in e check-out sem recurso a formulários em papel, entre outros recursos.

- Confirmar a existência de programas de reciclagem incluindo de resíduos orgânicos e óleos alimentares.

- Verificar se é disponibilizado aos hóspedes um sistema de reutilização de toalhas de banho e roupa de cama.

Mobilidade

MEDIDAS

- Sensibilizar os Parceiros para os efeitos de otimizar o transporte de carga - diminui-se o número de veículos e assim os gases com efeito de estufa que resultam do transporte de carga. Além de trazer benefícios financeiros associados a pedágios, consumo de combustível, etc.

- Recorrer às tecnologias de conference call (via telefone, Internet, ou por videoconferência), evitando as emissões de carbono das viagens correspondentes.

- Negociar com as operadoras de transportes coletivos um conjunto de medidas de incentivo ao uso de transportes coletivos na deslocação do público e adaptar a oferta e os horários às necessidades.

- Criar corredores para pedestres, com segurança, nas proximidades do local do evento, com especial atenção aos terminais de transporte coletivo.

- Assegurar uma zona especial para estacionamento de táxis.

- Criar Bike Park.

- Divulgar as ações de gestão da mobilidade e acessibilidade previstas através de uma campanha de comunicação nos vários meios de forma inclusiva.

- Disponibilizar no site do evento informação sobre a oferta de transportes coletivos até ao local e respetivos horários, e sobre outras eventuais iniciativas que possam afetar o acesso ao local do evento.

Brindes

MEDIDAS

- UTILIDADE

Quanto mais útil for o brinde para o dia a dia, menor a probabilidade de que termine no chão no final do evento e maior o impacto da marca, pois o brinde será usado para além do festival.

- MENSAGEM

Procurar associar o brinde às ideias de responsabilidade socioambiental e garantir que o brinde estimule o engajamento do público com a mensagem do Meo Kalorama.

- MATERIAIS

É importante considerar materiais reciclados e/ou recicláveis como matéria-prima para os brindes; evitar equipamentos eletrônicos que tenham necessidade de pilhas.

- FORMATO

É PROIBIDA distribuição no evento de flyers ou brindes que se assemelhem a flyers, papéis sem outra utilidade além de servir como material de divulgação.

- EMBALAGEM

Os brindes devem ser transportados para o recinto devem vir em caixas de papelão e sem embalagem individual; deve ser evitado o plástico para embalagem secundária dos brindes e os mesmos deverão ser entregues ao público sem embalagens primárias.

OS NOSSOS COMPROMISSOS SOCIAIS E ECONÓMICOS

1. Ser um evento inclusivo

MEDIDAS

- Garantir acesso através da rampa na entrada do parque.

- Criar espaços de estacionamento dedicados.

- Garantir equipa de apoio especializada logo desde a entrada para apoio a quem precisar.

- Criar plataformas nos palcos para pessoas com mobilidade condicionada, com pontos de eletricidade para carregamento de cadeiras.

- Disponibilizar no site todas as informações, incluindo dos espaços e experiências que são acessíveis.

- Site e redes sociais inclusivas e acessíveis.

- Criar meios de comunicação acessíveis, como e-mail, número de telemóvel para qualquer questão, antes e durante o evento.

- Criar inquérito para avaliar se o público sente que o evento é acessível, e para todos os grupos.

- Estabelecer parcerias com ONG que trabalhem o tema, para avaliar e propor melhorias.

- Incluir critérios de diversidade nas contratações.

- Desenvolver campanhas internas para trabalhar o tema entre a equipa e preparar a equipa para acolher a diversidade no dia a dia através de formações e ações de sensibilização.

- Criar as condições físicas necessárias para o acesso de todos na equipa.

- Sensibilizar os nossos parceiros para o tema através das sessões de esclarecimento e manuais.

- Avaliar possibilidade de WC sem género.

- Criar inquérito para avaliar se o público sente que o evento é para todos os grupos.

- Formar a equipa de comunicação de forma a implementar critérios de diversidade em todas as nossas comunicações para que todos se revejam e sintam que o Meo Kalorama é um evento para todos.

- Convidar influenciadores que focam no tema da inclusão e diversidade.

 

Para mais informações: ACESSIBILIDADE

2. Deixar um legado positivo na comunidade

MEDIDAS

- Oferta de bilhetes a moradores da envolvente de forma a proporcionar acesso à cultura.

- Empregabilidade dos moradores nas mais variadas áreas.

- Apoio a projetos locais, envolvendo os artistas e parceiros.

- Espaço para mostra de talentos locais, quer seja nos palcos como noutros locais.

- Doação de sobras alimentares em boas condições a famílias locais carenciadas.

- Doação de materiais no final do evento a escolas e associações locais.

3. Envolver todos na nossa politica de sustentabilidade

MEDIDAS

Artistas

- Email a managers comunicando os compromissos de sustentabilidade.

- Pedido de artigos para leilão para angariar verbas para uma causa social.

Equipa

- Auscultar a equipa.

- Dar formação.

- Guia para equipa sustentável.

Público

- Informar nas redes quais as boas práticas de sustentabilidade.

- Guia para festivaleiro sustentável.

Patrocinadores e Fornecedores

- Manual de boas práticas para parceiros, para além do plano de sustentabilidade.

- Envolver nas ações/causas sociais a apoiar.

4. Apoiar a economia local

MEDIDAS

- Optar por fornecedores locais, reduz a pegada carbónica associada à deslocação e contribui para o desenvolvimento económico local.

- Fomentar os produtos alimentícios locais e sazonais.

- Contratar mão de obra local.

COMPROMETEMO-NOS A:

- Monitorizar todas as operações

- Definir propostas de melhoria

- Definir metas para a próxima edição

- Reportar

- Celebrar os bons resultados

Nossos partners

A ANEBE (Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas) irá realizar a Ação “Menores nem uma gota” que visa sensibilizar os participantes do festival para o consumo moderado de álcool e contempla intervenções junto dos operadores e funcionários de bares acerca da venda responsável de bebidas alcoólicas, com especial foco na completa proibição de bebidas alcoólicas a menores de idade. 

APERCIM através da inclusão no âmbito do trabalho estará no catering da MEO Kalorama dando suporte na operação da alimentação de toda a produção do festival. 

APPDI (Associação Portuguesa para a Diversidade e Inclusão) dará formação sobre acolhimento das diferenças para a equipa, mensagens de diversidade e inclusão que serão espalhadas pelo festival. 

BearingPoint através da sua consultoria ambiental estará no festival com o apoio no cálculo da pegada de carbono, na definição de propostas de melhoria e metas para próxima edição. 

Câmara Municipal de Lisboa e a ValorSul serão parceiros para colaborar na efetividade e eficiência do nosso plano de gestão de resíduos abrangente e exigente. Com comunicação de apelo à participação de todos. Onde incentivamos à reutilização do copo reutilizável que iremos disponibilizar ao público, e das garrafas de água. 

A E-solidar através da plataforma de arrecadação de fundos irá ajudar a angariar verbas com os leilões de artigos doados por artistas durante o festival. 

A Quercus associa-se ao Kalorama consciente de que é necessário minimizar os impactes ambientais associados aos grandes festivais de Verão. Para assinalar a realização da 1a edição do festival Kalorama, estabeleceu-se um plano de sensibilização ambiental com propostas inovadoras e transversais a todo o evento, em áreas como a produção de resíduos, poupança de água e energia, alimentação sustentável, ecomobilidade e ação climática. Com a apresentação de um “Guia” com dicas e recomendações simples e práticas para os festivaleiros, pretende-se reduzir o impacte ambiental das atividades desenvolvidas no recinto. Em parceria com o Kalorama, o objectivo é incentivar o público a adotar um estilo de vida orientado para a salvaguarda dos recursos naturais e do futuro sustentável do planeta. 

O Movimento Unidos Contra o Desperdício no qual fomenta a sustentabilidade e a passagem para uma economia circular e colaborativa como forma de combater o desperdício alimentar através da carta de adesão assinada pelo festival, reforça o nosso comprometimento na luta ativa contra o desperdicio alimentar. 

A Refood 4 Good na ação de promover o reaproveitamento de excedentes de alimentos confecionados irá doar sobras alimentares em boas condições no final do evento a famílias carenciadas locais. 

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa dará o apoio ao festival com equipa técnica na plataforma de mobilidade condicionada, no Quiet Place e em outros pontos de acessibilidade do recinto. 

Inscreve-te na Newsletter para receber todas a novidades

COOKIES

Respeitamos a privacidade dos seus dados:
Usamos cookies para melhorar a experiência do usuário neste site. Ao clicar em aceitar no botão que aparece abaixo, entendemos que você concorda com o uso dos referidos cookies. Para obter mais informações sobre o uso de cookies ou para alterar as preferências e configurações do navegador, você pode revisar nossa Política de Cookies.

Aceptar
Inscreve-te na Newsletter para receber todas a novidades